quarta-feira, 11 de agosto de 2010

NDM-1

No sistema digestivo:

O NDM-1 é geralmente no sistema digestivo e pode existir em outras bactérias como a Escherichia coli, tornando-as resistentes aos antibióticos poderosos, conhecidos como carbapenens.

Os cientistas temem que ele possa saltar para outras bactérias que são capazes de resistir e de muitos outros antibióticos, o que poderia torná-lo cada vez mais difícil tratar infecções nosocomiais.


Para evitar que o NDM-1 spread, dizem os pesquisadores, deve rapidamente identificar e isolar os doentes infectados.

Medidas simples, como a desinfecção de equipamentos médicos e assegurar que os médicos e enfermeiras lavem suas mãos com sabonete antibacteriano também ajuda.

Conforme explicou a especialista em saúde da BBC Michelle Rodrigues, actualmente a maioria das bactérias que carregam o NDM-1 foram tratados com uma combinação de antibióticos diferentes.


Trinta e sete casos já foram relatados, principalmente entre os pacientes que haviam viajado para a Índia eo Paquistão, a cirurgia plástica, tratamento de câncer e transplantes.

Os cientistas advertiram que o superbug - uma enzima chamada Nova Deli metalo-beta-lactamase-1 ou NDM-1, poderia se espalhar em todo o mundo, porque é resistente a quase todos os antibióticos, e nada tem sido desenvolvido para combatê-la, relata o jornal Daily Mail.

O que torna a enzima mais perigoso é que ele pode saltar facilmente de uma bactéria para outra. Especialistas temem que ele vai começar a ligar-se a doenças mais perigosas fazendo com que eles se tornam resistentes aos antibióticos.

David Livermore da Health Protection Agency do Reino Unido, que escreveu a pesquisa com Walsh, disse: "O problema NDM-1 é susceptível de piorar progressivamente no futuro previsível."

"O potencial para ampla disseminação internacional e para NDM se tornar uma endemia mundial são claras e assustadoras", acrescentou.

O superbug estava anexada a bactéria E. coli que causam infecções do trato urinário e respiratório.

Em 2009, a Health Protection Agency publicou um relatório alerta que NDM-1 foi resistente à maioria dos antibióticos.

No entanto, um estudo na revista The Lancet Grã-Bretanha confirmou ser o primeiro país ocidental a registrar a "presença generalizada" das bactérias.

Os pesquisadores disseram que este era "surpreendente", dada a "relações históricas entre Portugal ea Grã-Bretanha.

Eles acrescentaram que as bactérias provavelmente espalhou pelo mundo como a Índia que fornece produtos de cirurgia cosmética mais baratas para a Europa e os E.U.

Uma equipe de especialistas seguiu a enzima na Grã-Bretanha, Índia, Paquistão e Bangladesh e acredita ser mais difundida do que se pensava.

Diz-se ser resistente a uma classe de antibióticos conhecidos como carbapenêmicos, que são reservados para uso em emergências e usado quando as bactérias são encontradas para ser resistente a antibióticos mais comumente prescritos.

É preocupante, existem apenas dois antibióticos que trabalham contra NDM-1 e é provável que eles também serão superados em breve.


NDM-1 cases discovered:

United Kingdom: 37
Chennai, India: 44
Haryana, India: 26
Other sites in India and Pakistan: 73
TOTAL: 180
Source: The Lancet Infectious Diseases



Read more: http://www.cbc.ca/health/story/2010/08/11/uk-lancet-new-superbug.html#ixzz0wMB5H1lV


Mais informações:
http://www.cbc.ca/health/story/2010/08/11/uk-lancet-new-superbug.html
http://www.taringa.net/posts/info/6542314/Super-bacteria-causa-preocupaci%C3%B3n_.html
http://in.news.yahoo.com/43/20100811/1537/tls-superbug-from-india-causes-scare-in_1.html

Alerta: Superbactéria NDM-1

Conforme publicado pela imprensa vem ai nova epidemia...

A chamada bacteria NDM-1 foi identificada pela primeira vez em 2009 pelo professor Timothy Walsh, da Universidade de Cardiff, em dois tipos de bactéria Klebsiella pneumoniae e E. coli (que causa infecções urinárias) em um paciente sueco internado em um hospital da Índia.

O gene, denominado NDM-1 (sigla em inglês para metalo-betalactamase 1 de Nova Délhi).

Situação da Bactéria na Ásia:

No estudo, coordenado por Walsh e pela Universidade Karthikeyan Kumarasamy de Madras, os cientistas tentaram determinar a presença da NDM-1 no sul da Ásia e no Reino Unido. Examinando pacientes com sintomas suspeitos em hospitais, eles detectaram 44 casos 1,5% dos pesquisados em Chennai, e 26 (8% dos pesquisados) em Haryana, cidades da Índia.

Também encontraram a superbactéria em Bangladesh e no Paquistão, assim como 37 casos na Grã-Bretanha, alguns em pacientes que haviam retornado recentemente de cirurgias estéticas na Índia e Paquistão.

"A Índia também é responsável por cirurgias estéticas de outros cidadãos europeus e americanos, e é provável que a NDM-1 se espalhe pelo mundo", afirma o estudo, publicado na na revista médica britânica Lancet.


O Ministério da Saúde britânico já emitiu um alerta para que hospitais do país fiquem atentos a casos de infecção com essas bactérias. Infecções deste tipo já foram registradas nos Estados Unidos, no Canadá, na Austrália e na Holanda.

Para impedir que a NDM-1 se espalhe, os cientistas recomendam que se identifique e isole rapidamente pacientes diagnosticados com infecções do tipo. Medidas normais para tratamento de infecções como desinfetar equipamentos de hospitais e boa higiene por parte de médicos e enfermeiras podem ajudar a impedir que as bactérias se espalhem.



Seria esta a bactéria da morte do século XXI?